A Estratégia do Oceano Azul: o que é e como pode ser aplicada

7 minutos para ler

A ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL E A SUA HISTÓRIA

A estratégia do oceano azul é um livro bem difundido e consolidado entre empreendedores. Neste, foi destrinchado um conceito importantíssimo para qualquer empreendedor, o oceano azul. A estratégia do oceano azul consiste em dividir o ambiente empresarial entre os oceanos azul e vermelho. Onde o objetivo de uma empresa é migrar para o oceano azul, pois no mesmo será possível se desenvolver em um mercado ainda inexplorado. Ao buscar mercados ainda não explorados, uma empresa compreende a essência da estratégia por trás de superar a concorrência ao parar de enfrentá-la.

         Apesar da grande relevância dessa estratégia e da sua implementação em diversas grandes empresas, a sua publicação ocorreu há menos de 20 anos. Os pesquisadores W. Chan Kim e Renée Mauborgne publicaram o livro no ano de 2005. No entanto, a elaboração da estratégia contou com a participação e pesquisa em 150 empresas de 30 diferentes setores, e teve uma duração de dez anos.

OCEANO VERMELHO VS OCEANO AZUL

 O nome oceano vermelho é decorrente do sangue derramado nas batalhas entre concorrentes. O oceano vermelho pode ser considerado uma estratégia de mercado, mas as empresas que optam pelo oceano azul tendem a superar a concorrência com maior frequência e facilidade. Empresas que adotam a estratégia do oceano vermelho competem em mercados existentes, muitas vezes já saturados. Essas empresas têm como objetivo oferecer produtos e serviços que em essência são iguais aos dos concorrentes, e através de pequenos diferenciais, vencer os mesmos. Empreendimentos que ingressam no oceano vermelho possuem o objetivo de aproveitar a demanda existente, criada por concorrentes a mais tempo no mercado.

         Já o nome oceano azul é dado por ser considerado um local em que se pode nadar livremente, sem ter que lidar com diversos concorrentes. Como citado anteriormente, essa estratégia consiste em abrir espaços no mundo corporativo, criando mercados inexplorados. Várias empresas, como a Uber, Apple e Youtube de certa forma utilizaram a estratégia do oceano azul para se tornarem empresas de sucesso. Antes do Youtube, havia pouquíssimas empresas que hospedavam vídeos na internet, e as que hospedavam ofereciam um serviço ainda muito primitivo. Já a Uber se consolidou em um mercado de aplicativos, tornando extremamente conveniente acionar um transporte privado, rápido e eficiente.

O OCEANO AZUL NA PRÁTICA

Empresas como a Uber romperam com trade-off valor-custo, focando todos os esforços em oferecer um serviço que possui uma alta proposta de valor. Ao mesmo tempo apresentando custos baixos comparados com o então principal concorrente, os táxis. A Uber além de tornar o serviço de táxi irrelevante para a maioria da população, de certa forma criou e capturou uma nova demanda no mercado. Pessoas de menor renda, que antes nunca nem pensaram em fazer o uso de um transporte privado, começaram a considerar o serviço da Uber, mesmo que não rotineiramente. Os grandes diferenciais, alinhados com os preços atraentes do serviço, foram responsáveis por tornar o mesmo um excelente custo-benefício.

 APLICAÇÃO INTERNA DA ESTRATÉGIA DO OCEANO AZUL

 Apesar da estratégia do Oceano Azul possuir foco em criar espaços de mercado inexplorados, a mesma pode ser utilizada internamente na empresa. Oferecendo assim, ênfase na gestão de pessoas e processos. Empresas que adotam ferramentas como o Fit Cultural, onde se busca recrutar funcionários alinhados aos valores da empresa, tendem a otimizar as relações de trabalho. Resultando em uma maior produtividade da equipe. Apesar da estratégia ser interna, um incremento na produtividade dos funcionários é responsável por diluir diversos gastos fixos da empresa, permitindo uma redução nos preços da empresa. Um dos maiores pilares da Estratégia dos 4 P ‘s   é o preço, que reflete diretamente na demanda de seus bens e serviços.

AS SEIS FRONTEIRAS DO OCEANO AZUL         

 Dentro da estratégia do Oceano Azul, existem seis fronteiras, sendo quatro de formulação e duas de execução. Começando pela reconstrução das fronteiras de mercado, o primeiro passo é sempre expandir as fronteiras do atual mercado. Criando assim novas possibilidades de atuação dentro de um setor.

Em segundo lugar, as empresas devem se concentrar no panorama geral, e não apenas em números. Uma vez que, o foco excessivo em resultados explícitos e detalhes operacionais pode acabar atrapalhando a equipe no pensar da empresa e no planejamento amplo e generalizado.

A terceira fronteira consiste na criação de uma nova demanda, com ênfase em pessoas que ainda não são consumidores, evitando então uma concorrência direta com outras empresas. Esta, foi foco de inovação por parte da Uber, que captou o público de menor renda com diversos descontos, além de viagens a partir de R $6,90. Por último, as empresas devem acertar a sequência estratégica, construindo então a estrutura de preço, custo e estratégia para o engajamento e adoção.

EXECUÇÃO DA ESTRATÉGIA

         Partindo para os fatores de execução, a empresa deve superar as suas barreiras organizacionais. Assim deve ser adotada uma cultura de mindset ágil em todos os setores da empresa. O que antes era burocrático, agora se tornou ágil, e os empreendimentos dão cada vez mais preferência para pessoas com a mentalidade ágil. Fomentando então a cultura de rápido crescimento. Por último, as empresas devem introduzir a execução dos projetos em suas estratégias, reduzindo o hiato entre a estratégia e a execução. Uma das ações que as empresas podem tomar é estabelecer metas de curto prazo, permitindo melhores respostas por parte de seus gerentes.

A IMPORTÂNCIA DE SE APLICAR A ESTRATÉGIA

É de extrema importância que todo empreendedor leia o livro: A estratégia do Oceano Azul, pois o mesmo é responsável pelo sucesso de inúmeras grandes empresas. Vale destacar que empresas que não dão a devida atenção às inovações do mercado tendem a se tornarem obsoletas em uma velocidade nunca vista antes.

         Pensando em ajudar ainda mais os nossos clientes, a PUC Consultoria Jr. oferece o serviço de plano de negócios. Onde direcionamos o nosso trabalho para a análise mercadológica e a análise de concorrentes, viabilizando a adoção de estratégias de inovação e oportunidade no mercado. Para analisar os concorrentes de uma empresa, é utilizada a metodologia dos 4 P ‘s, onde se estuda de forma crítica o posicionamento das empresas em relação à praça, preço, produto e promoção.

         Por último, gostaríamos de destacar que há uma grande variedade de textos técnicos em nosso blog, onde a nossa missão é trazer um conteúdo informativo e de qualidade para o pequeno e médio empreendedor. Recomendamos a leitura do seguinte texto: Lições de 2020, um ano de crise global. O texto aborda a crise do Corona vírus e gera insights sobre como diversas empresas de renome se reinventaram e lucraram durante esse período de recessão.

Texto escrito por Bernardo Bravin, gerente do administrativo – financeiro da PUC Consultoria Jr.

otimização de processos
Posts relacionados

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.